21 de jun de 2012

Poema sem nome


É preciso 
não apenas criar a personagem.
Como um ator, 
passar a sê-la,
transmutar-se nela,
isso é preciso.

Viver a sua vida 
e sentir suas emoções mais íntimas,
conhecer seus segredos mais obscuros.

E aí, então, 
decifrados seus enigmas,
voltar a si 
e desfrutar da sua companhia,
pois que agora está pronta 
e existe por si só,
concretamente, 
um ser distinto dos demais,
na imaginação de cada leitor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário