20 de jun de 2012

O PT e suas relações masoquistas



Algumas vezes defendo o PT, quando concordo com os projetos e atitudes (prova que não sou antipetista). Outras, talvez até por me faltar compreensão - ou por vislumbrar uma certa estranheza - não o apoio (prova de que não sou petista).

Exemplo claro e atual, são as relações do PT com Paulo Maluf.  Associar-se a um sujeito "procurado" pela Interpol (confira), só pode ter sido ideia do Serra, já que é um suicídio político para o PT.


"...essa associação PT-Maluf sugere que Lula já não tem mais feeling apurado, o que pode colocar a perder todo o seu ativo político"


A Erundina também não entendeu nada! Tanto que se recusou a ser vice de Haddad em razão dessa..."parceria". E ela tem razão! Aliás, ganhou ponto comigo por mostrar coerência política.

Como pode o partido da Presidente da República sujeitar-se a isso? Será que, para alavancar a candidatura do Haddad, farão coligações também com as FARCs e traficantes?

Com essa atitude, percebe-se que o que está em jogo não é só a Prefeitura de São Paulo, mas, também, a própria Ética. Será que para o PT os fins justificam os meios?

Realmente, parece que o PT não merece a prefeitura de São Paulo. Comete um erro atrás do outro: um foi a escolha do Haddad ao invés da Marta, outro, são essas relações estranhas que, no mínimo, deveriam ser esclarecidas à população.

Aliás, essa associação PT-Maluf sugere que Lula está perdendo seu feeling. Isso é grave para ele, pois coloca em risco seu ativo político.

Acorda companheiro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário