6 de jun de 2012

Brasil: Um país de areia movediça


Irineu Tolentino

Quem acompanha o Em Tese, deve ter lido o post Economia: O que está havendo com o Brasil?

Ali, tracei um paralelo entre a corrupção e a Economia, especialmente do Brasil. Sustentei que as análises de Peter Lynch, Jim O'Neill, Richard Lapper, Nouriel Roubini e Neil Shearing, em relação ao esfriamento da economia brasileira, eram superficiais, pois baseavam-se apenas em premissas técnico-econômicas.

É claro que, de forma alguma, reduzi a importância desses analistas. Apenas discordei da conclusão a que chegaram, porque entendo que os problemas pelos quais estamos passando não têm fundo estritamente econômico. A perda de atratividade internacional em relação ao Brasil, nesta fase atual de reorganização do mundo, decorre da corrupção bastante acentuada, a qual não conseguimos controlar, punir e nem manter em níveis civilizados.

Arrisquei-me até a afirmar que "Para os investidores estrangeiros somos um país de areia movediça". Isso não é um exagero e nem uma conclusão precipitada, já que se percebe claramente uma influência negativa no desempenho econômico brasileiro por conta dos níveis elevados de corrupção e fraqueza das instituições.

Hoje, a organização Transparência Internacional, ao examinar a Europa (cuja crise também já atrelei à corrupção), declarou no relatório Corruption a pan-European problem: new report,  que:

“Fighting corruption needs to come from the top and that is where Europe fails the test.”
"No country is immune to corruption and the damaging effects it has for citizens and society. Across Europe – a new report from Transparency International reveals – corruption is undermining confidence in national institutions and contributing to a sustained economic crisis."

Numa tradução livre:

" O combate à corrupção tem de vir de cima e é aí que a Europa não passar no teste . "
"Nenhum país está imune à corrupção e os efeitos nocivos que ele tem para os cidadãos e da sociedade. Em toda a Europa - um novo relatório da Transparência Internacional revela - a corrupção está minando a confiança nas instituições nacionais e contribuindo para uma crise econômica sustentada
."
 
Você pode ler mais sobre o relatório aqui.
 
Bom, em síntese, não dá mais para conviveremos com esquemas do tipo Mensalão, Demóstenes e Cachoeira. Isso já não incomoda apenas aos brasileiros. Os empresários  que financiam esses esquemas devem repensar suas políticas de lobby. Ainda que não descobertas, essas irrigações de capital que estão fazendo para os corruptos está causando sérios problemas ao (permitam-me a associação) "ecossistema" das suas próprias empresas.
 
O Brasil  precisa, urgentemente, controlar a voracidade dos corruptos e puni-los, o que não será possível se não equipar e fortalecer as Instituições. Se não fizer isso, não haverá bolo para repartir, e, logo logo, poderemos ouvir falar em Primavera Brasileira, a exemplo do que está acontecendo na Europa.
 
Fica o alerta: Precisamos restaurar a nossa sustentabilidade moral para permitirmos o regresso dos investimentos e a admiração do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário