26 de jun de 2013

Falta de Comando


Dilma, nos seus "cinco pactos", "pediu" ao Congresso a destinação de 100% dos recursos dos royalties do petróleo para a educação.

Renan Calheiros, propõe 20% do PIB para a saúde e a educação, e, ainda, propõe "passe-livre" para todos os estudantes do Brasil...

Ela havia sugerido ainda uma nova constituinte para atender aos anseios populares, Renan discordou e sugeriu esquecer essa ideia. Dilma recuou. Ainda bem! Mas, essa ideia não passaria mesmo, já que não agradou a ninguém no momento da sua divulgação. 

Numa democracia é necessário sim que as instituições discutam os projetos e ideias que se pretende implantar no país, mas, por vezes, a fraqueza da instituição da presidência da república - bastante evidenciada no governo Dilma - cria  uma certa confusão no governo. Não se sabe quem manda, e, portanto, de quem o povo deve cobrar. Nessa confusão, até ex-presidentes tem seu quinhão de poder  paralelo, dando "palpites" com peso de membros do governo. E não é só o caso de Lula não, FHC, que não fez a lição de casa, também busca  projeção como se tivesse governando.

É difícil imaginar um ônibus sendo conduzido simultaneamente por dois ou mais motoristas.

Dilma deveria ter mais pulso firme. Ouvir mais seus ministros ou demiti-los, caso não tenham serventia. A propósito, questões estratégicas e estruturais, de longo prazo, deveriam ser amplamente debatidas antes mesmo de serem propostas. Não podem  ser simplesmente cuspidas depois de um espasmo qualquer.

Como ela está fazendo, é muito fácil ser presidente, difícil será agradar os brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário