19 de jun de 2013

Reinaldo Azevedo e suas sandices


Esse cara parece a Madonna: "Falem bem ou falem mal, mas falem de mim".

Vive procurando "fugir do lugar comum" por esporte, apenas para divergir de todos, como se estivesse procurando reinventar a roda e assim se destacar na sociedade.

Vangloria-se do "estrondoso" número de acessos ao seu blog como se ele fosse um relicário da coerência e da verdade, onde a sociedade deva beber da sua sabedoria.

Em relação ao número de acessos, Reinaldo, não me parece que todo ele tenha qualidade, ou será que "Toda Unanimidade é burra", como diria Nelson Rodrigues (e você também, ao que me parece), à exceção da multidão que lhe lê? O Tiririca foi extremamente bem votado e nem por isso todos seus eleitores apoiaram suas ideias; até porque, até agora, ele não mostrou nenhuma.

A propósito, eu leio seu blog e não concordo com muitas coisas que estão lá. Não concordo, aliás, com a linha editorial da Veja, mas leio-a para me servir como contraponto apenas, e, mesmo assim, de vez em quando.

Hoje, por exemplo, a respeito desse movimento denominado "Passe-Livre", que, literalmente, ganhou o mundo, você o condenada porque o movimento não condena "os saqueadores". Ora, condene-os você. Dê a sua contribuição, pare de esperar que os outros façam tudo. Você só emite opinião condenando a opinião dos outros. Deixe de ser pedra e experimente ser vidraça.

Como nossos gestores públicos, você parece que está cego e surdo. O movimento não aprova os baderneiros, eu não aprovo, ninguém aprova. Mas eles estão lá, como continuarão a estar no meio da nossa sociedade quando o protesto acabar, e por uma razão muito simples: eles existem!

O governo nunca conseguiu acabar com os vândalos e baderneiros, com os bandidos e corruptos, nem mesmo sabendo, em muitos casos, quem são eles.

Por que, agora, cobram isso dos manifestantes que não são agentes do Estado? Eles não podem fazer justiça com as próprias mãos. Você sugere que os manifestantes cometam crimes exercendo ilegalmente a função de policiais, é isso?

Badernas existem até nos parlamentos. Vez por outra, vemos parlamentares aos socos e pontapés durante o horário de trabalho, em plena sessão das casas legislativas. Nos tribunais do júri, é muito comum advogado e promotor trocarem ofensas e, por vezes, tapas, sem que se condene as instituições do Ministério Público e OAB. E tem que ser assim. Casos isolados são casos isolados e assim devem ser tratados.

Em circunstâncias que envolvam paixão é comum os excessos, embora não recomendáveis. Isso decorre da natureza humana, ou talvez não (já que o diabo estava no Céu e se desentendeu com Deus).

Pare de ficar repetindo que os manifestantes  estão prejudicando o direito de ir e vir. É claro que estão! Mas o culpado disso é o governo que não fez o seu trabalho e provocou essa manifestação. A propósito, qual é a sua sugestão para organizar tamanho evento? Onde você reuniria tanta gente sem gerar efeitos colaterais? Você queriam que milhares de pessoas permanecessem nas calçadas, em fila indiana? Não caberia! E, ainda que eles fizessem isso, você diria, da mesma forma, que eles estariam impedindo o direito de ir e vir dos transeuntes, obrigando-os a ir para as ruas em meio aos carros.

Saia da zona de conforto e dê a sua colaboração, apoiando se concordar, ou, apontando as falhas de forma construtiva. Se hoje você pode se manifestar livremente na imprensa, agradeça aos movimentos sociais do passado, ao Vladimir Herzog  e a tantos outros que morreram, apanharam e sofreram para defender a liberdade e os interesses da sociedade.

Pare de xingar, de ofender, e de utilizar palavreados grosseiros para questionar o mundo. Até o Papa mudou Reinaldo! Mude também!  Deixe de ser chato!



Nenhum comentário:

Postar um comentário