2 de set de 2013

Síria: o impasse

A Rússia e a China têm razão: "negociação" é a melhor saída para a Síria. Mas, por que é que tais países - que são amigos da Síria - não orquestram essa "saída negociada" por si mesmos? É fácil criticar os EUA e nada fazer, né?

Até quando o mundo ficará assistindo em silêncio às atrocidades que se vê dos os dias?

Assad não tem condições de comandar o país. Já mostrou que não consegue colocar ordem  e nem pacificá-lo. O povo não pode se manifestar porque fica entre um ditador e os "rebeldes". A ONU e a OTAN  são inertes.

A intervenção é necessária. O problema é: nas mãos de quem ficarão os estoques de armas químicas e convencionais numa eventual deposição de Assad?

Isso é muito sério e os riscos devem ser cuidadosamente calculados.  Porém,  ainda que haja riscos, não se deve deixar como estar sob o pífio argumento de que "se mexer fica pior". O mal deve ser combatido sempre. Perigo maior é o crescimento do mal em razão da omissão dos justos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário