24 de abr de 2013

Mensalão: o revide do PT ao STF

A matéria abaixo é bastante preocupante. Indica, com bastante probabilidade de acerto, mau uso da legislatura.

Por conta disso, não me parece que a PEC tenha legitimidade material, está mais para um revide do PT contra o STF, em razão da condenação dos mensaleiros, entre eles, José Dirceu, Genoíno e João Paulo Cunha.

O proponente da PEC, Nazareno Fonteles (PT-PI), colega dos condenados, parece tratar-se de deputado fantoche do partido. A propósito, o argumento "combater o ativismo judiciário" é fraco e maléfico. Não existe ativismo judiciário. O que ocorre é que questões estão sendo judicializadas conforme autoriza a Constituição ("Não se excluirá da apreciação do Poder Judiciário..."). Nada mais que isso.

O PT deve tomar muito cuidado com essas atitudes sob pena de se voltar contra ele os efeitos de uma tentativa perigosa de derruir a democracia. Por sua vez, o povo deve tomar cuidado com o PT, especialmente com seus integrantes que se utilizam de forma enviesada do mandato, pois ele pode torcer a lei, a transparência e a democracia.

***

quarta-feira, 24 de abril de 2013 11:49

CCJ autoriza Congresso a derrubar decisões do STJ

Agência Estado

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou na manhã desta quarta-feira, 24, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que submete ao Congresso decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre inconstitucionalidade de emendas à Carta Magna e súmulas vinculantes. Na prática, os parlamentares passam a ter o direito de derrubar decisões do Judiciário sobre o tema.

Estavam presentes durante a votação os deputados José Genoino (PT-SP) e João Paulo Cunha (PT-SP), condenados pelo STF no processo do mensalão. Apesar de a votação ser simbólica, Genoino fez questão de registrar sua posição favorável à matéria. A votação ocorreu com a presença de cerca de 20 deputa ados no plenário. A comissão tem 68 membros titulares, mas como não houve pedido de verificação de quórum a PEC seguirá adiante. O próximo passo é a criação de uma comissão especial para analisar o tema.
O projeto é de autoria do deputado Nazareno Fonteles (PT-PI). Ele propõe que decisões do STF de editar súmulas vinculantes e declarar inconstitucionais emendas à Constituição tenham de ser submetidas ao Congresso antes de ter validade. Somente se o Legislativo não analisar o tema em 90 dias a decisão do STF passaria a vigorar. A proposta ainda altera o quórum necessário para proferir essas decisões para quatro quintos, o equivalente a 9 dos 11 ministros na formação total do STF. Atualmente esse quórum é de 7 votos.
Na justificativa da proposta, Fonteles afirma que o alvo é o chamado "ativismo judiciário". Ele cita decisões como a da fidelidade partidária e do aumento do número de vereadores como decisões que seriam rediscutidas pelo Congresso no caso de o projeto estar em vigor. "Há muito o STF deixou de ser um legislador negativo, e passou a ser um legislador positivo. E diga-se, sem legitimidade eleitoral. O certo é que o Supremo vem se tornando um superlegislativo", argumenta Fonteles.
A proposta tem apoio ainda da bancada evangélica. O relator na CCJ foi o deputado João Campos (PSDB-GO), coordenador da frente parlamentar. Ele repete o argumento sobre o ativismo. "Importa salientar que o quadro atual é, sem dúvida, de exacerbado ativismo judicial da Constituição", diz Campos em trecho do voto. Ele afirma ainda que a medida impediria uma "hipertrofia" do STF.
O projeto não é o primeiro aprovado pela CCJ que opõe o Congresso ao Supremo. No ano passado a mesma comissão aprovou outra proposta de Fonteles que permite ao Legislativo sustar ato do Judiciário. Essa proposta ainda aguarda a criação de uma comissão especial para debatê-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário